Empreendedor: 5 dicas para criar um modelo de negócio inovador

O primeiro passo para criar um novo empreendimento é a definição do seu modelo de negócios. O seu conceito tradicional diz que ele é “a maneira que a empresa cria, entrega e adquire valor”. Na prática, trata-se de explicar como o seu negócio funciona. Ele deve ser rápido e fácil de entender e são fruto da sua própria imaginação e criatividade.

Exemplos de modelos de negócios tradicionais

Para entender melhor o significado da expressão, veja como são definidos esses modelos tradicionais:

Modelo de Assinatura: modelo muito usado por revistas e jornais, vende-se a informação em pacotes com desconto.

Modelo de Franquias: o empreendedor paga uma taxa para usar uma marca já existente e todos os seus processos.

Modelo Freemium: produto ou serviço digital gratuito a princípio, mas que oferece a opção paga para liberar recursos adicionais.

Criando um modelo de negócio

A criação de um modelo de negócios não segue um padrão formal. Ele pode começar a partir de ideias bem abstratas e conceitos que aos poucos vão tomando forma até que ele possa ser aplicado de fato na sua empresa.

Apesar disso, existem ferramentas de estruturação com campos a serem preenchidos de acordo com as ideias do empreendedor. Uma das mais conhecidas é o Canvas de Modelo de Negócio (Business Model Canvas), um quadro dividido em 9 áreas:

1. Segmento de Clientes: a divisão dos clientes de acordo com pontos similares, como necessidades.
2. Oferta de Valor: o diferencial da sua empresa.
3. Canais de Distribuição: como a empresa vai se comunicar com seu público.
4. Relacionamento: de que forma vai interagir com o segmento de clientes.
5. Fontes de Receita: da onde virá o dinheiro da empresa e de que forma.
6. Recursos-chave: principais recursos e ativos da empresa, físicos ou humanos.
7. Atividades-chave: quais as ações que a empresa precisa desempenhar para funcionar.
8. Parcerias: qualquer público que apoie e facilite o funcionamento da empresa, como outras empresas ou organizações.
9. Estrutura de Custos: os custos gerados pela operação do modelo de negócio.

Um modelo de negócio inovador

Basicamente, tudo que nunca foi pensado antes é inovador. Num modelo de negócio, isso se define pela forma como ele entrega o valor da sua empresa e se relaciona com os clientes. Um bom exemplo é o Uber. As pessoas já pagavam por transporte antes do Uber, mas o modo de operação da empresa – cobrar uma porcentagem sobre corridas de carros comuns através de um aplicativo – é que foi inovadora. Veja dicas para você inovar no seu modelo:

1. Aposte na colaboração
As soluções colaborativas vêm fazendo cada vez mais sucesso. Graças ao avanço da tecnologia, ficou simples diminuir distâncias e reunir pessoas com interesses parecidos. Um exemplo interessante é o Waze, que funciona com base nas informações sobre trânsito fornecidas pelos seus funcionários.

2. Use as tecnologias disponíveis

Se você se incomoda com pessoas que não saem do celular, saiba que para as empresas essa é uma das melhores coisas que existem. É que através do que elas acessam no smartphone, as empresas coletam informações sobre os gostos e as preferências de seus clientes. É o conceito chamado de Big Data. Com a tecnologia tão presente em todos os lugares, procure você também tirar proveito disso de forma a viabilizar o seu negócio.

3. Bagunce o status quo

Um bom exercício para encontrar uma ideia inovadora é tentar imaginar algo que causaria um impacto em algum serviço já existente. Por exemplo, um serviço de drive trhu sem filas. Como você faria? De que maneiras poderia viabilizá-lo?

4. Recicle

A reutilização de produtos foi apontada pela Harvard Business Review como um dos principais pontos recorrentes entre modelos de negócio disruptivos com potencial de impacto no mercado. Os motivos são a economia de custos e a baixa geração de resíduos. Tenha isso em mente na hora de criar seu modelo. Você não precisa reinventar a roda, só imaginar um jeito novo de reutilizá-la.

5. Precifique pela quantidade de uso
A ideia é bem simples: quanto mais funções o consumidor usa, mais ele paga. É o mesmo modelo utilizado nos aplicativos Freemium, utilizado pela maioria dos aplicativos hoje em dia, que libera o uso gratuitamente, mas cobra para oferecer funções extra.

Com essas dicas na sua cabeça, o passo seguinte é quebrá-la. Pense e pense bastante em todos os detalhes do negócio e, principalmente, na sua viabilidade. Não adianta nada ter uma ideia que parece ótima no papel se ela não se sustentar na vida real. Essa é a fase da tentativa e erro. Teste todos os cenários possíveis, peça a opinião de amigos e, o mais importante, não desanime. O caminho para a inovação é difícil e comprido, mas vale muito a pena.